Bater asas


Era um dia nublado. Sem muitas opções do que fazer, então ela decidiu mergulhar em si mesma. O pensamento logo lhe trouxe seus defeitos, qualidades, manias e tudo que ia compondo seu ser dia após dia. Tudo que lhe fazia única. Em alguns aspectos até parecida com outro alguém. Mas no todo única, sem a miníma chance de comparação com qualquer um ou uma. Um doce, mesmo que indigesto ás vezes, não deixava de ser doce. A leitura de si mesma ia bem e entre algumas conclusões que chegara a que mais lhe agradou foi a de que o casulo já tinha sido rompido, agora era só a borboleta voar...

2 comentários:

  1. lindo lindo
    quanto temnpo nao venho aqui?

    A leitura de si mesma ia bem e entre algumas conclusões que chegara ....


    quando nso damos conta que amadurecemos hein

    ResponderExcluir
  2. obrigado, por me visitar sempre! um beijo

    ResponderExcluir